0-6 Meses

Mama ou biberão?

Leite fresco sempre à mão. Por muito bem conseguida que seja uma imitação, o original é sempre melhor, pois no fim de contas, é natural, certo?
No entanto, se por algum motivo não puder dar de mamar ao seu bebé, também não é uma catástrofe. Vai amá-lo da mesma maneira dando-lhe leite no biberão. De uma forma ou outra, o bebé depende de si para a sua nutrição. Acima de tudo, ele precisa que esteja calma e descontraída, capaz de transmitir-lhe todo o seu afeto. Tenha em conta que os problemas emocionais podem impedir o aleitamento materno.
No início, o bebé alimenta-se pouco e com frequência. É inútil tentar que ele coma se não lhe apetecer, mas também não deve deixá-lo sem comer porque ainda não chegou a hora. Deve ser a mãe a adaptar-se ao bebé e não o bebé a um relógio. Saberá se está com fome pelos seus gestos doces – os movimentos de procura que fazem com a boca são sinais bastante claros. Como um pequeno glutão, o seu bebé vai esvaziar 90% do seu peito nos primeiros cinco minutos, mas depois precisará de um bocadinho mais para terminar, o leite é rico em gorduras muito benéficas para o desenvolvimento do seu cérebro.

SABIA QUE…?
A mama é constituída por tecido glandular onde o leite é produzido. O tamanho do peito não é indicativo da quantidade de leite.
Amamentar não deixa os seios descaídos, muito pelo contrário, uma vez que estimula a perda do peso ganho durante a gravidez e ajuda o útero a voltar ao normal.
O leite materno digere-se tão bem que apenas deixa resíduos para formar as fezes.
Durante os primeiros 3 ou 4 dias, os bebés podem perder até 8% do seu peso. Com 10 a 12 dias costumam pesar o mesmo que no momento do nascimento. A partir daqui, geralmente aumentam cerca de 200 gramas por semana. A maioria dos bebés duplica o seu peso em 4 ou 5 meses.

Bibliografia
“Guia completo para cuidar de bebés e crianças” da Dra. Miriam Stoppard
“Bebés-bio” de Claire Gillman
“Meu filho, meu tesouro” do Dr. Benjamin Spock
“Beija-me muito” de Carlos González
“Os meus primeiros 100 dias” de José Luis Romero

Loading...