24-36 Meses

Pinto, logo existo

Com a idade de 2 anos, o bebé terá apenas uma palavra na boca: “eu”. Já percebeu, a partir do momento em que conquista a independência, não há maneira de lhe dizer o que fazer. Tem o seu lugar na família, e ele sabe isso muito bem. Agora, ele sabe o seu nome próprio e não para de repetir “eu sou grande” ou “não”. O seu pequeno explorador não está a deixá-la, está apenas a consciencializar-se da sua individualidade. Nesta idade ganha gosto por atividades originais e criativas, como a pintura com objetos do quotidiano, podendo impor-se e expressar-se plenamente.
Então, quem é o seu pequenino? Para descobrir, deixe que a sua criatividade flua…

Arranje tintas!
Escolha tinta especial para crianças que é 100% natural, feita com corantes alimentares. Não tóxica e é inodora, não mancha e lava-se facilmente com água. É mais espessa do que a aguarela. É ideal para os bebés que querem fazer uso dos seus dedos das mãos ou dos pés e até para os curiosos mais pequenos que poderiam ser tentados a prová-la… E, especialmente, não necessita de ser diluída em água, desta forma pode evitar acidentes com recipientes de água a serem entornados e com o papel a enrugar-se!

O meu estudiozinho caseiro
Recrie a atmosfera acolhedora de um estúdio de pintura pequeno, demarcando um espaço aberto por uma parede ou uma mesa. O seu potencial artista sentir-se-á seguro e será capaz de se concentrar durante um maior período de tempo nessa área. A fim de evitar idas e vindas perturbadoras, certifique-se de que tem tudo o que precisa à mão: tinta em diversos papelões e vários objetos caseiros de que já não precisa: escova de dentes, esponja, copos, rolhas de cortiça, cotonetes, cortadores de bolachas, cordel, palitos, garfos, etc.
E se pretende evitar ter de lavar as paredes, o chão ou a mesa a seguir às façanhas criativas dele, cubra tudo com um plástico grande antecipadamente. Então tudo o que precisa é colocar uma grande folha de papel em cima… e vestir ao bebé um grande bibe!

Hora de brincar!
Explique ao seu pequenino que vai criar uma imagem que se lhe destina e que pode guardar. Permita-lhe explorar cada elemento, explicando que mesmo assim é livre de ir até onde quiser e que deve ficar no seu estúdio. Como verá, ele tirará tanto prazer em mergulhar o objeto na tinta, como em utilizá-lo para esborratar o papel. Sem se aperceber, está a trabalhar a destreza e a concentração e a preparar-se para a escrita.
Desta forma, o bebé irá de descoberta em descoberta: um ramo de brócolos mergulhado em verde faz um ouriço pequeno! E estes pontos vermelhos da ponta do meu cotonete, parecem-se com a varicela da minha mana… E olha que caracolzinho engraçado podemos fazer com este cordel… Óoo, e com as costas da minha mão posso fazer uma grande coruja!
E não está em causa a ajuda da mamã, “eu estou a fazer isto tudo sozinho!” Sem interferir na sua criação, fique ao seu lado para o encorajar a fazer uso de muita imaginação. E especialmente não rotule o que quer que seja que ele pinte, espere que ele lhe diga o que é, para que não limite a sua criatividade.
Ao utilizar objetos quotidianos na pintura, mostra ao bebé como fazer uso das suas capacidades de observação e imaginação. Tudo sob o seu olhar atento de forma a evitar surpresas desagradáveis. No entanto, mesmo nos maiores erros, encontrará a expressão de um espírito criativo. Portanto, antes de o surpreender quando ele já vai a meio caminho de pintar de novo o seu carro porque o papá queria um novo, deixe-o expressar as suas sensibilidades conforme desejar. É muito revelador do seu temperamento. Imagine isto: foram-lhe necessários quase 2 anos para conhecer o seu corpo, tudo o que pode fazer com ele, e mostrar a todos de que é capaz de pensar, de se lembrar, de querer e de acreditar. Pode ter a certeza, ele não vai parar por aqui!

Loading...